Prova surpresa

O post de hoje não é muito informativo, é mais perturbador, um probleminha de lógica para não deixar você dormir.

Um professor chega à aula e avisa sua classe que aplicará, no mês de abril, uma prova surpresa. Um aluno, que futuramente se tornaria matemático na área de lógica, pergunta o que o professor entende por surpresa. Estranhando a pergunta, o professor responde que uma prova surpresa é uma prova tal que, no início de cada dia do mês de abril, os alunos não podem deduzir ou saber que a prova será aplicada naquele dia. Triunfante, o aluno conclui que não haverá prova nenhuma, pois:

– Se a prova não for aplicada até o 30 de abril, então ela terá que necessariamente ser nesse dia e, no começo do dia, já não será surpresa. Então o 30 de abril não pode ser a data da prova.

– Se a prova não for aplicada até o 29 de abril, então ela terá que ser necessariamente nesse dia, pois o 30 está excluído. Mas, assim sendo, ela não será uma surpresa, então o dia 29 não pode ser o dia da prova.

– Se a prova não for aplicada até o 28 de abril, então ela terá que ser necessariamente nesse dia, pois o 30 e o 29 estão excluídos. Mas, assim sendo, ela não será uma surpresa, então o dia 28 não pode ser o dia da prova. E assim por diante, ele exclui todos os dias.

No dia 12, ele recebe a prova. Onde ele errou?

Anúncios

5 ideias sobre “Prova surpresa

    1. Ricardo Marino Autor do post

      Infelizmente conseguimos sempre dizer que para que ele chegue ao 30, é necessário não ter aplicado a prova até o 30 e, chegando nele, será obrigado a aplicar nele, matando a surpresa. O silogismo é: se chegar ao 30, não pode aplicar prova no 30, logo, o 30 está excluído.

      Resposta
  1. Nicholas Braun

    Qual é o erro???? Eu já pensei MUITO sobre isso, e eu não consigo achar um erro. Eu chutaria que a prova não foi surpresa de acordo com a definição dada. Mas é muito estranho isso, pois nós sempre podemos reduzir o intervalo no qual a prova poderá ser aplicada, e como o intervalo é finito, eu não vejo algum erro com a “indução” feita pelo aluno. Bom, eu não sei, já perdi muitas horas, dias pensando nisso =/

    Resposta
  2. Bruno

    Ora, o fato da prova ter sido aplicada contrariando o processo dedutivo do aluno mostra que ela foi de fato uma surpresa. O aluno não tinha como saber isso de antemão.

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s